Miami: o que você não pode perder por lá 1


Falando assim, em começo de conversa, Miami não é dos destinos mais desejados, menos ainda dos mais bem falados. Talvez pelo fato de a cidade ter levado a (má) fama de ostentação dos “new richies” latinos, ou mesmo por ser um destino de excessos – excesso de gente, excesso de compras, excesso de riqueza, excesso de festa, excesso de badalação, excesso até de brasileiros. E a maior parte das pessoas que odeia Miami nunca pisou os pés por lá; é um preconceito que faz com que ela vire um dos destinos “se eu não for nunca na vida, não perderei nada”…ou “o que eu vou fazer em Miami? Todo mudo vai pra Miami, chega a ser até meio brega dizer que vou também”

Mas o fato é que Miami é MUITO, mas MUITO legal MESMO! Posso até concordar com o argumento dos haters de que não há muita personalidade, nem muita cultura americana por lá (pelo grande número de imigrantes, sobretudo os latinos, ela realmente se encaixaria melhor sendo um destino caribenho, do que um destino dos EUA…e acaba, sim, tendo um pouco do México, um pouco de Cuba, um pouco até mesmo do Brasil…). Mas dizer que a cidade não tem muito a oferecer, além de compras, acho uma tremenda injustiça!

Miami tem a combinação perfeita da modernidade de uma grande cidade com a calmaria de um destino de praia, além de temperaturas super agradáveis o ano inteiro, belas paisagens e programações pra gostos e idades completamente variados. Claro, primeiras coisas que se pensam são compras e praia (e pra isso a oferta é realmente bem boa!), mas o destino estrangeiro mais visitado por brasileiros tem se tornado um excelente point para os amantes de arte e cultura, boa comida e, claro, muito luxo (e bem acessível, diga-se de passagem!).

Miami1_Foto de abertura

Anote aí

Pra começo de papo – O idioma mais falado nas ruas é o espanhol, pelo enorme número de imigrantes latinoamericanos Inglês falam também, afinal de contas, é o oficial. Entende-se portunhol em quase todos os lugares.

Quantos dias são necessários? Sendo a primeira vez (ou mesmo não sendo), sugiro 5 dias inteiros, no mínimo. A cidade é bem espalhada e tem muitos atrativos – menos que isso pode ficar muito cansativo.

Quando ir? A alta temporada é de dezembro até a Páscoa, mas é inverno por lá (por mais que a neve passe bem longe, faz um leve frio, algo entre 18°C, e pode chegar a 10°C no mês de janeiro). A baixa temporada é entre julho e agosto, quando faz BASTANTE calor (acima de 30°C) e eu indico pra quem quiser curtir uma praia!

Sugiro evitar os meses de agosto a final de novembro – por mais que a temperatura esteja ainda muito gostosa (ainda é bem quente) é a época de chuva e também a temporada de furacões (não quer dizer que vai ter um furacão; mas pode ter! Se estiver combinando a viagem com qualquer coisa de Caribe, esqueça essas meses!). Eu fui e, sinceramente, não aconselho a (péssima) experiência!

Devo alugar carro? Com TODA certeza! Apesar de a cidade ter um sistema de transporte urbano bem eficaz e barato (o passe Easy Card de 7 dias custa US$29.95 por pessoa, e vale pra ônibus e metrorail), não dá pra esquecer que a cidade é grande, e um automóvel particular/ alugado sempre torna mais prático o deslocamento. Principalmente se algum dia for dedicado às compras! Sem contar que aluguel de carro por lá também é bem barato!

Diquinha preciosa: alugue um carro para o dobro de pessoas do seu grupo (por exemplo, se estiver em 4, alugue pra 8) porque é impossível voltar de Miami sem muitas malas e compras – senão corre o risco de suas tralhas não caberem no carro na volta ao aeroporto!

É tranquilo dirigir em Miami? Sim, muito. A cidade é cheia de freeways e highways, o que pode assustar um pouco, mas com mapa ou GPS, não tem muito segredo! Até porque é tudo muito bem sinalizado! Eu me localizo com bastante facilidade, então talvez não sirva muito de base pra comentar a respeito, mas ainda assim, acho a cidade de uma geografia bem fácil de entender! Em pouco tempo lá, já se consegue saber onde fica cada coisa…

Dica útil: se não quiser levar multa, não passe reto nos pedágios, ok (muitos brasileiros fazem isso!)? E se não quiser ter o carro guinchado, JAMAIS estacione em local proibido e nem passe 1 minuto sequer do seu tempo de estacionamento nas vias públicas; por lá, a fiscalização disso é bem pesada, e os policiais levam os carros que passam do horário, mesmo que apenas por 5 minutos, sem dó e nem piedade!

Ocean Drive, um dos pontos mais famosos de Miami Foto: Freepik
Ocean Drive, um dos pontos mais famosos de Miami  |  Foto: Freepik

A cidade é segura? Eu acho bastante. Em alguns bairros, como os latinos ou mesmo em Downtown, a atenção tem que ser redobrada…Quando pisar neles, vai entender o porquê…E na hora das compras, não aconselho deixar nada no carro (deixe tudo no hotel, antes de sair pra outro lugar, por exemplo). E outras regras básicas de segurança válidas pra qualquer lugar do mundo (não andar com muito dinheiro, cuidar com pertences, roupas etc).

Não pode faltar na mala: roupas bem leves, tênis ou algum outro calçado confortável (para o bate-perna nos shoppings e outlets), cardigãs para os dias mais frescos ou fins de tarde com vento, óculos de sol e protetor solar, roupa de banho, muitos dólares para gastar em compras $$$ (mesmo quem não é de priorizar compras em viagens- como eu – não resiste a tanta oferta de produtos com preços bem inferiores aos do Brasil! Não se esqueça de habilitar seu cartão pra uso no exterior, essas coisas…)

Dá pra combinar Miami com…? A combinação mais óbvia é Miami + Orlando. Com alguns dias a mais, algumas pessoas incluem Tampa no roteiro (a cidade dos parques mais hardcores e selvagens da Flórida!), ou ainda Fort Lauderdale, que fica do ladinho, a 50 km de Miami (e vale mesmo a visita, por pelo menos, um dia!). Tem gente que combina Miami com Nova Iorque – até pode ser uma boa, já que NY é daqueles destinos pra se visitar SEMPRE, mas, além de distantes, acho as duas cidades diferentes demais (não sei se talvez uma ia me fazer gostar menos da outra…enfim, pensamento meu!). No verão, muito legal é esticar para algum dos Keys (Key Largo, Key West…), considerados os melhores destinos de praia da Flórida! Para os meses de dezembro a julho, sugiro combinar com qualquer coisa de Caribe: TUDO A VER! O passeio mais óbvio, saindo de Miami, é para as Bahamas (já que são a parte caribenha mais próxima da Flórida), mas também há vôos para Porto Rico, Jamaica, México, Turks&Caicos e outros. Minha sugestão? Um vôo para St. Maarteen ou para a luxuosa St Barth, meus destinos preferidos do Caribe!

Onde se hospedar e o que comer

São itens que merecem post específico, afinal de contas, boas ofertas não faltam e têm atividades e locais para todos os gostos! Para hospedagens em Miami Beach eu fiz este post; para hospedagens fora de Miami Beach (onde os preços caem um pouco) eu fiz este aqui; e dicas dos restaurantes mais tops de lá estão aqui.

Essencial – O que não deixar de fazer MESMO

O clima retrô de South Beach  | Foto: Freeimages
O clima retrô de South Beach | Foto: Freeimages

1. South Beach (também abreviadamente chamada de SoBe) é “O” point de Miami e, provavelmente, o primeiro que você vai visitar. Por ali estão lojas, museus, galerias de arte, bons restaurantes e hotéis dos mais badalados. Não deixe de conferir a notável arquitetura Art-Dèco na Ocean Drive e arredores – realmente parece que voltamos pros anos 20´! Quem se interessar por conhecer mais da história e da arquitetura da região, assim como adquirir peças antigas, realizar tour guiados, ou até mesmo ter um serviço de concierge pela South Beach, pode passar no The Art Deco Welcome Center (1001, Ocean Drive). O local funciona como um centro de informações turísticas!

Lincoln Road: tudo o que você precisa, no centro de TUDO!  |  Foto: Freepik
Lincoln Road: tudo o que você precisa, no centro de TUDO! | Foto: Freepik

2. Não deixe também de passear pela Lincoln Road, uma das ruas mais famosas de SoBe, que funciona como um calçadão, ou uma espécie de shopping ao ar livre. Por ali ficam lojas diversas (como H&M e Urban Outfitters), cafeterias, restaurantes, boutiques, lounges e galerias, entre elas a do Romero Britto (que, obviamente, você não vai deixar de conhecer, afinal de contas, ele é o nosso grande representante da pop art!).

Española Way: charmosa de dia e indispensável à noite  | Foto: Freepik
Española Way: charmosa de dia e indispensável à noite | Foto: Freepik

3. Também bem próximo fica a charmosa Española Way. É uma rua, das mais bacaninhas de Miami, originalmente projetada pra lazer da alta sociedade americana (isso nos anos 20), que acabou virando point de mafiosos nos anos 30, teve sua decadência na década de 70, foi revitalizada recentemente e hoje é um must-see da cidade. Como o nome sugere, ela traz uma grande referencia da Espanha pra Miami, principalmente na arquitetura e na tradição de grandes agitos noturnos (é durante a noite onde tudo acontece por ali; há bons restaurantes, bares, música…). Vale conferir!

As casinhas de salva-vidas que já viraram até cartão-postal de Miami  |  Foto: Freepik
As casinhas de salva-vidas que já viraram até cartão-postal de Miami | Foto: Freepik

4. Aproveite a praia, e curta aquele visual lindo de areia branquinha e mar azul turquesa de emocionar os olhos! De South Beach até North Beach/ Bal Harbour são 15 km de extensão de praia (e quanto mais pro norte, mais sossegado fica!). Se for a Miami no verão, será atividade realmente indispensável! Se for no inverno, ainda assim, terá muito o que fazer! É super comum a prática de várias atividades, como vôlei, futebol, patins, caminhada, corrida…e vou dizer que ver todo mundo se exercitando é contagiante!

O bacana é alugar uma bicicleta e passear sem muita preocupação com horário – você pode fazer isso no Bike Miami ou no Deco bike (tem até passeios em grupo, muito legais!).

O Skyline de Downtown Miami  | Foto: Barry Haynes
O Skyline de Downtown Miami | Foto: Barry Haynes

5. Visite Downtown Miami! O centro da cidade já tem vida mais que própria, pra propósitos dos mais variados. Quer ir às compras? Pois lá você encontra uma grande ofertas de lojas (desde redes como Macy´s até grandes grifes) e eletrônicos dos mais baratos na cidade (eu sei, alguns de procedência duvidosa, mas foram os mais baratos que encontrei!). Gosta de artes e museus? Lá você encontra algumas atrações bem interessantes como o Adriennes Arsht Center for the Perfoming Arts of Miami (com vários shows, musicais, espetáculos de dança, teatros etc.) e o History Miami. Quer se hospedar por um preço bom? Pois ali é uma das regiões “mais em conta” da cidade. Gosta de curtir a noite? Downtown oferece os mais badalados nightclubs, restaurantes e rooftops de Miami. O mais bacana de tudo? Todos os pontos estão a poucas distâncias, que você pode fazer a pé ou com o metromover (aquele sistema de trenzinho elevado de Miami, que é gratuito, by the way…) Ah, também não deixe de dar uma passada no Bay Front Park, uma área pra lá de agradável e com uma das vistas mais lindas da cidade (na minha opinião! Ali fica o Bayside Marketplace, um shopping super fofo a céu aberto!)

Miami_CoconutGrove
Passeios de barco e voltinhas ao ar livre são comuns em Coconut Grove | Foto: miamiandbeaches.com

6. Curta pelo menos um dia ou fim de tarde em Coconut Grove! É uma espécie de vila de Miami, um tanto quanto bohemian, que foi feito para se aproveitar ao ar livre! Há 5 parques na baía, além de bares, cafés, restaurantes e lojas a céu aberto! E, nos fins de semana, todos do bairro estão na água – velejando, passeando de barco, ou praticando atividades como o stand up paddle. O lugar tem realmente um clima muito interessante e não deve ficar de fora da sua lista de passeios imperdíveis na cidade!

Cores vivas e referências de Cuba na Little Havana
Cores vivas e referências de Cuba na Little Havana  | Foto: miamiandbeaches.com

7. Passeie em Little Havana e se sinta em Cuba por pelo menos um dia! Nesse bairro se concentra a maior parte de imigrantes cubanos, com tradição latina, obviamente, intacta. Por ali se diz hola!, é possível comprar charutos, comer um prato de “ropa vieja”, ouvir música cubana, experimentar o ultra famoso “cortadito” (café cubano) e se encantar com o colorido das casas e ruas, especialmente a da Calle 8, a mais famosa da região.

Graffitti e arte de rua em Wynwood, um bairro que você não pode perder!  |  Foto: Freepik
Graffitti e arte de rua em Wynwood, um bairro que você não pode perder! | Foto: Freepik

8. Dê um pulo em Wynwood Arts District e descubra a Miami muito além das praias e outlets. A região é um grande museu de arte de rua (por muitos considerado o maior do mundo ao ar livre), e reúne mais de 70 galerias de arte, museus e grandes coleções privadas, além de lojas-conceito e bares-boutique. O bairro é pra lá de cool e perfeito para os que amam pintura, design, música, cinema e outras expressões de arte.

Key Biscayne com o Skyline de Downtown ao fundo  |  Foto: Freepik
Key Biscayne com o Skyline de Downtown ao fundo | Foto: Freepik

9. Clima de tranquilidade em Miami? Sim, é possível! Vá a Key Biscayne, uma exclusiva ilha entre Downtown e Coconut Grove, ideal para relaxar na praia e explorar a natureza local. Palmeiras enfeitam o ambiente onde pelicanos e pavões dão o ar da graça em plena luz do dia! E o mais legal de lá? A SENSACIONAL vista do Skyline de Miami! O local ainda é bem famoso pela prática de exercícios, já que ali se encontram campos de golfe e o Crandon Park Tennis Center, sede de importantes competições nacionais e internacionais de tênis.

Compras e mais compras  | Foto: milescarrentalmiami.com
Compras e mais compras – a cara de Miami! | Foto: milescarrentalmiami.com

10. Last but not least, acabe-se em compras! Não quis falar sobre esse item primeiro, só pra ser um pouquinho mais original, mas o fato é que realmente não dá pra ir a Miami sem encher sacolas! Mesmo as pessoas que tem aversão à shoppings, compras e tudo mais, não conseguem resistir. E isso porque a variedade de produtos é gigantesca e os preços são, sim, muuuuuuito inferiores aos do Brasil (é possível comprar grandes marcas por valores bem acessíveis!). Sem contar que é possível comprar não apenas em outlets, não! Tem de tudo em todos os lugares/ bairros/ neighbourhoods. É Claro que esse é item que merece post bem específico e bem detalhado (que eu fiz com todo carinho e tá MUITO COMPLETO, só clicar aqui), mas já adianto os dois melhores lugares pra compras: o Dolphin Mall (próximo ao aeroporto) e o Sawgrass Mills (a 60 km de Miami Beach), que é o maior shopping/outlet da Flórida.

Talvez também se interesse por:

Leave a comment

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

One thought on “Miami: o que você não pode perder por lá