O que fazer em Nova Iorque – dicas para iniciantes 1


New YorkNova Iorque (ou Nova York) é uma cidade que eu considero muito fácil e, ao mesmo tempo, muito difícil para dar dicas.

Fácil porque ela oferece um número realmente muito grande de atrativos e atividades para idades, gostos e propósitos totalmente diferentes – tem a Nova Iorque para os amantes da cultura, tem a Nova Iorque para quem quer fazer compras, tem a Nova Iorque para quem está com crianças, tem a Nova Iorque pra quem quer agito, e por aí vai….Vai ser muito improvável não arrumar o que fazer por lá!

E ela é difícil talvez pelo mesmo motivo: suas opções são infindáveis! É impossível esgotar todas as possibilidades dessa cidade multifacetada, de forma que se alguém viajar 10x por ano pra lá, nas 10x vai ter coisas diferentes pra fazer! Então acaba sendo complicado, também, escolher o que priorizar na sua visita, o que vale realmente a pena.

Começo, então, pelas atrações básicas, aquela que devem estar na lista da sua primeira viagem à Big Apple. Take note!

1.

NovaYork_TimesSquare

A Times Square é uma das melhores representações do agito da cidade

 

A Times Square é onde tudo funciona, e 24 horas por dia, em Nova Iorque! Suas luzes, e grandes anúncios em LED, e cartazes, e artistas de rua, e lojas, e movimento são, muito provavelmente, a grande representação do agito da cidade, de como ela pulsa! Como muitas ruas ao redor dessa região estão proibidas para veículos, você pode transitar por ali seguramente, e aproveitar cada cantinho dela! E, claro, sentir-se num filme (essa é a sensação que dá quando pisamos ali pela primeira vez na vida!). Se quiser comprar, por ali ficam lojas bem famosas como a Sunglass Hut, Gap, M.A.C, Wallgreens, Levi´s, Forever 21, Foot Locker e Sephora. Se deseja comer, as opções variadíssimas contam com restaurantes de comida italiana, steakhouses, cocktail bars, até lojas de redes como Starbucks, McDonald´s, Pizza Hut e Hard Rock Café. Nos arredores da Times ainda ficam algumas boas opções de hospedagem, além de entretenimento, como o Madame Tussauds, o famoso museu de cera com mais de 20 unidades mundo afora. Se quiser conferir a programação de eventos, ou algum endereço específico na região, clique aqui e consulte o site oficial da Times Square.

2.

NovaYork_Predios famosos

Da esquerda pra direita: o Chrysler Building, o Empire State, o Flatiron, o Woolworth e a Freedom Tower – alguns dos prédios mais famosos de NY

 

Outra coisa que define muito bem a cidade é seu (magnífico) skyline. São seus prédios altos e cheios de pompa que vemos em cartões-postais, filmes e seriados. Algumas construções, como o Chrysler Building e o Empire State Building são famosas no mundo inteiro! Andando pelas ruas de Manhattan ainda vemos prédios icônicos como o Flatiron, o Woolworth e a Freedom Tower (atual One World Trade Center). Para apreciar a beleza dessa arquitetura ímpar, a cidade e suas luzes, você pode visitar o observatório do Empire State Building (tem passes para o 86º e para o 102° andar) e o Top of The Rock, no também famoso Rockefeller Center.

3.

NovaYork_Broadway

A Broadway é a rua mais extensa de NY, que corta a cidade de leste a oeste, e deu origem às milhares casas de espetáculos e teatros

 

Impossível estar na cidade e não assistir a pelo menos um musical ou teatro da Broadway. A região conta com mais de 40 casas de espetáculos, com shows imperdíveis e produções extraordinárias! Alguns estão por ali há décadas e são mais do que clássicos, como os Les Misérables, Chicago, Fantasma da Ópera e Rei Leão. Há também peças de teatro com atores hollywoodianos consagrados, espetáculos de dança, música e humor. Para conferir a programação completa pra sua época de viagem, clique aqui. Se não se importar em entrar na fila (sempre bem grande, por sinal) pra comprar os tíquetes com desconto, pode se dirigir ao Tkts Booth na Time Square. Ali se encontram ingressos com descontos arrasadores! Requer uma certa paciência, mas compensa, principalmente para os chamados “same-day tickets” (“entradas para o mesmo dia”, em português, que ficam mais baratas porque são justamente as que as casas não conseguiram vender previamente e querem liquidar!)!

Dica: alguns espetáculos da Broadway são melhor aproveitados por quem tem um nível de inglês pelo menos intermediário, porque há uma história sendo contada e, em alguns casos, muitos diálogos. Se você não se comunica bem no idioma, opte por atrações mais no estilo musical (como Mamma Mia, Jersey Boys e Chicago), os clássicos da Disney (como Rei Leão e Alladin, que são ótimos até pra crianças) ou ainda por musicais off-broadway com ZERO fala, do estilo de Stomp, Fuerza Bruta e The Blue Man Group.

4.

NovaYork_centralpark

O Central Park é um dos maiores e mais belos parques do mundo!

 

O maior contraste do ritmo frenético de Nova Iorque é o Central Park e, onde, obrigatoriamente, você deve por os pés durante sua estadia na cidade. Com seus quase 3.500 km² é o maior e mais visitado parque urbano dos EUA, recebendo mais de 35 milhões de visitantes por ano. Também, pudera! Por ali há milhares de coisas que você pode fazer (o parque é gigantesco!): tem zoológico, museu, teatro, e uma imensa área verde, das mais lindas que você terá o prazer de ver na vida! Não deixe de ver o Strawberry Fields, o monumento em homenagem a John Lennon (que foi assassinado nas proximidades em 1980), o Carrossel e o Shakespeare Garden. O Central Park é ideal para caminhadas, passeios de bicicleta, esportes variados…dá também para apenas apreciar o movimento das pessoas, fazer lanches ou piqueniques,  participar de eventos diversos (como aulas de ioga, apresentações de música ao vivo, maratona fotográfica, passeios em grupo…), e rechear o álbum – o cartão de memória, na verdade! – com suas mais belas fotos de NY.

Dica: o parque oferece uma série de passeios incríveis, e para ver um pouco da magnitude dele, nada melhor do que aproveitar pelo menos um! Há passeios de charrete a partir de US$155 (45 min), alugueis de bicicleta por US$15, passeios de gôndola por US$60, e tours a pé guiados e temáticos (“arte e arquitetura tour”, “locações de filmes e séries de tv tour” etc), que partem de US$40! Para saber mais ou reservar um deles, clique aqui, no site oficial do parque.

5.

Estátua da Liberdade: um dos principais cartões -postais de NY

Estátua da Liberdade: um dos principais cartões -postais de NY

 

Outro ícone nova-iorquino é a Estátua da Liberdade. É tida como a entrada não-oficial da cidade e oferece, simbolicamente, boas-vindas a todos os seus visitantes. Para chegar até lá, você precisa pegar a balsa Statue Cruises, a única que leva na Liberty Island (a ilha em que ela fica). O ponto de saída da balsa é o Battery Park, na baixa Manhattan (e pra chegar até lá é BEM simples: basta pegar o metrô 1 e descer na última parada, a South Ferry. Depois é só caminhar ate o parque, seguindo as placas – é tudo bem sinalizado! Não dá pra se perder!). Esse ferry ainda passa pela Ellis Island (uma ilha a, aproximadamente, 1 km da Liberty Island e que já foi a principal porta de entrada de imigrantes nos EUA. Hoje, no local, há o museu da imigração). O importante é tentar ir o mais cedo possível, para evitar as filas (gigantes!) e a superlotação no lugar. O bacana de lá? A vista magnífica que se tem de Manhattan!

Dica: é possível ir até a Liberty Island sem precisar subir no monumento (pros impacientes que não suportarem as filas, principalmente). Se a intenção for mesmo a de entrar na Estátua, dá pra ir até o Pedestal (a parte mais baixa, por US$18), ou até a Coroa (o topo, por mais US$3). Em qualquer uma das duas, no entanto, é necessário passar por uma rigorosa segurança – nada de mochilas, bolsas, comidas, bebidas e semelhantes. Se o tempo estiver curto (e a paciência também) dá pra apenas passar pela Estátua, sem descer na ilha, só pra bater umas fotos de longe e apreciar a bela vista. O mais bacana de tudo é que essa última opção é GRÁTIS: basta pegar o ferry gratuito para Staten Island, e aproveitar o percurso de aproximadamente 25 minutos! Muita gente já se contenta em ver a Estátua mais de longe, sem precisar entrar nela! Sinceramente falando, acho uma ótima, já que não se trata do mais belo monumento da cidade (e quando tiver lá, vai concordar comigo!)!

6.

Não dá pra deixar bairros como o Soho, Tribeca e Greenwich Village de fora de um passeio a pé pela cidade.

NovaYork_Soho
Uma rua clássica do Soho, um dos bairros mais charmosos e versáteis da Big Apple

Soho significa “South of Houston” e quer dizer que o bairro fica ao sul de Houston, uma das ruas mais famosas de Manhattan, que corta a ilha de leste a oeste. É um dos bairros mais bacanas de Nova Iorque, na minha opinião. Saem os prédios gigantes, a modernidade dos arranha-céus, e entram pequenas construções de tijolo à vista, lojinhas bacanas e points descolados. É a parte mais hi-lo da cidade. É possível ver lojas de grifes e, bem próximas, várias galerias de arte e pequenas boutiques. Tem restaurantes de luxo (e alguns dos endereços mais cobiçados para uma boa comida), mas também tem feirinhas e mercados de rua. Tem tranquilidade durante o dia, e uma cena musical bem viva durante a noite. Esse contraste é demais! Faz a gente esquecer que está numa das maiores e mais agitadas cidades do mundo! Soho é o paraíso pra quem quer ir às compras, também: brasileiros costumam se esbaldar na região, já que as principais marcas dos EUA (além de outras grifes famosas como Chanel, Versace, Missoni e Prada), têm endereços ali!

Tribeca, ou TriBeCa, quer dizer “Triangle Below Canal Street”, também numa referencia à localização geográfica do bairro. A região era uma zona industrial no século passado, sem grandes atrativos, até que foi revitalizada e hoje é tida como a área mais segura de NY, e também a mais cara – com apartamentos e lofts que batem a cifra de milhões de dólares. Vários famosos, como Robert DeNiro, Beyoncè e Meryl Streep, têm imóveis na região. Isso, claro, atraiu o comércio de luxo: há muitas grifes e restaurantes caríssimos por ali. Se não for comprar nada, nem consumir nada, vale apenas o passeio, já que o bairro é realmente uma graça!

Greenwich Village (que fica colado nos outros) é, para muitos, uma parte da Europa na cidade. O bairro, que já foi reduto de revolucionários e artistas, hoje é um dos metros quadrados mais caros de Nova Iorque. Ainda é elitista e repleto de intelectuais – nos meses escolares, o que mais se vê são estudantes da New York University, que fica nas redondezas. O bairro ainda guarda um ar bohemian, e atrai gente de todas as tribos para seus vários cafés, bares e casas noturnas. Aliás, se quiser ouvir um clássico jazz americano, ali é o lugar! Bares como o Smalls Jazz Club e o Blue Note são indispensáveis para os amantes do estilo! Não deixe de passar um tempo na Washington Square, apenas para ver o movimento e se agradar com o clima cool e despretensioso do bairro. Para a noite, o endereço mais famoso talvez seja o do Webster Hall, palco de DJs e artistas de renome, onde também (excelentes) bandas locais se apresentam semanalmente.

Dica: Para uma volta nesses bairros (e em vários outros), passando pelos principais pontos de interesse e conhecendo bem a história de cada, que tal um tour gratuito? A Free Tours By Foot oferece tours guiados para as principais neighbourhoods de Nova Iorque, e a vantagem é que dá pra ver tudo sem gastar tanto tempo! No final, cada um paga ao guia o quanto acha que valeu o passeio (mas nada de boicotar e sair sem pagar, né? Sejamos gentis e educados!)…Bem interessante pra quem não quer deixar de andar pelos bairros mais charmosos de Nova Iorque!

7.

NovaYork_Highline

Highline: a famosa área verde em meio ao movimento frenético de Manhattan

 

Uma das sensações dos últimos anos em NY é o HighLine, um parque suspenso construído numa antiga e abandonada estação ferroviária elevada. A ideia é sensacional: uma área verde entre prédios, ótima pra quem quer pegar um sol, deitar numa espreguiçadeira, ler alguma coisa, ou apenas relaxar! Sem contar que a visita vale por ser algo muito diferente de qualquer coisa de parques que se tenha aqui no Brasil! O espaço é muitíssimo bem cuidado e trouxe até mais movimento para o Meatpacking District, o bairro onde ele se encontra. Nos arredores do HighLine, muitas obras de grafitti, galerias de arte, museus e restaurantes bacaninhas. Vale conferir, também, essa região toda!

 

8.

NovaYork_Wall Street

O Charging Bull, na famosa Wall Street, simboliza o poder e a força da economia americana

 

Outro ponto que não dá pra ficar de fora é o Financial District, em Lower Manhattan. Por ali é onde se concentra toda a cena empresarial, financeira e governamental da cidade (na realidade, do país), com prédios imponentes como a Corte Americana, o Federal Hall, o Federal Bank of NY Building e o Trump Building. Como não falar, é claro, do One World Trade Center, o prédio mais alto do ocidente, e que ficou no lugar das Torres Gêmeas? Você pode visitar o observatório que fica no 100° andar, pelo preço de US$32 (adulto). Bem próximo fica o 9/11 Memorial, um museu em homenagem ao trágico 11 de setembro (particularmente falando, acho meio mórbido, com uma energia pesada, mas se formos considerar que o evento transformou o país e causou impactos no mundo inteiro, é interessante saber um pouco mais). Ah, e também não deixe de dar suas voltas pela famosa Wall Street, a rua que, como dizem os americanos, concentra e movimenta o maior volume de dinheiro do mundo!

9.

NovaYork_Brooklyn Bridge

A Brooklyn Bridge é, pra mim, a construção mais linda de Nova Iorque!

 

Bem próximo do Financial District fica a Brooklyn Bridge – pra mim, uma das obras mais lindas da cidade! A ponte liga Manhattan ao bairro do Brooklyn, e foi a primeira do mundo a ser suspensa por aço. Além de extremamente fotogênica, é garantia de um dos mais belos e agradáveis passeios a pé em Nova Iorque (já que ela admite a travessia de pedestres). Sério, não deixe de cruzar essa ponte a pé! Já no Brooklyn, aproveite o Brooklyn Bridge Park, um dos lugares mais legais da cidade e com a vista que, pra mim, é a número 1 de lá!

Dica: por ali também ficam os piers (do lado de Manhattan). O mais famosos deles é o 17, ou South Street Seaport. O lugar é extremamente agradável pra um passeio, especialmente nos finais de semana, e conta com lojas, bares, restaurantes e um visual de primeira! Não chega a ser “O” ponto turístico em NY, mas é a garantia de uma tarde bem prazerosa por lá!

10.

NovaYork_Metropolitan

Fachada do Metropolitan, um dos mais sensacionais museus americanos

 

Se tem algo que já entrou pra lista de “paradas obrigatórias” em Nova Iorque, são seus museus. Não todos, obviamente, já que estatísticas da cidade garantem que se uma pessoa visitar 2 por dia, não vai conseguir ver o acervo de todos eles no final de um ano! Pode? É museu pra ninguém botar defeito! Eu sou uma total entusiasta de museus, então tento sempre encaixar o máximo de passeios desse gênero quando estou viajando. Mas, ainda que você deteste, vale a pena eleger no mínimo um, já que os de NY estão na lista dos mais importantes do MUNDO! O Metropolitan, o MoMa (Museu de Arte Moderna) e o Guggenheim são algumas das excelentes opções que você tem à sua disposição! Se tiver com crianças, vale a visita no American Museum of Natural History (museu de história natural): é hit entre os pimpolhos!

Nova Iorque na prática

Assim como toda grande metrópole, ela tende a ser mais cara (comparação com outras cidades americanas, por exemplo). E como também oferece atrativos DEMAIS para seus visitantes, pode acabar pesando no bolso, no fim das contas (não adianta! É como ir a São Paulo, Londres, Paris…cidades desse naipe, com uma infinidade de coisas pra se fazer, acabam sendo menos amigas, no quesito preço).

Uma sugestão valiosíssima é comprar algum Card ou City Pass. Os mais vendidos por lá são o New York Pass e o New York City Pass. Eles não são lá muito baratos, mas oferecem acesso aos principais pontos turísticos e atrações da cidade – o que quer dizer que, no fim das contas, sempre se economiza bastante! Sem dúvida, se se fosse comprar em separado, o gasto seria maior! Qual deles? Bom, o ideal é entrar no site e comparar cada um deles…depende de quais atrações se prefere visitar…acho que, pra um curto período de tempo na cidade, o City Pass tá de ótimo tamanho. Pra quem já vai ficar mais tempo e realmente gosta de atividades culturais, o NY Pass é mais completo!

E sobre passeios, ou que fazer exatamente na sua estadia por lá, já vá sabendo que é impossível ver tudo. Então, pra não se estressar, a minha dica é a de não fazer tudo correndo, pipocando de um lado pro outro, só pra marcar como vistos os milhares de lugares que estão em guias de viagem! Mesmo em viagens longas, ou temporadas de 1 mês ou mais na cidade, muita coisa se perde! Nova Iorque não para, e tem sempre algo novo a oferecer! Então vá com calma…

Claro, alguns locais são básicos demais, como a Times Square ou o Central Park – não tem como pisar lá e não ir a um dos dois. Mas nesse post mesmo, deixei várias coisas, como o Harlem, Chinatown, Little Italy, Upper East Side, o próprio Brooklyn e outros bairros bacaníssimos, de fora!

NovaYork_fO legal é fazer o seguinte: leia o que puder sobre a cidade antes (a sua preparação de viagem) e marque como imperdíveis as coisas que você acha que tem a ver com a sua personalidade. Por que não faz sentido perder uma tarde num museu se você detesta museus, certo?

E mesmo escolhendo “no escuro” (“vou curtir mais o lado boêmio de Greenwich Village, ou o requinte de Upper East Side?”, ”passo a tarde num passeio de barco, ou num walking tour por um bairro?”), não tem como sua decisão ser muito errada!

O que eu também já fiz por lá foi bater perna, de forma meio “sem grandes planejamentos”. Incrível como a gente se surpreende nas ruas de Nova Iorque! É assim que se descobre uma cafeteria gostosa, um restaurante bacaninha, uma loja interessante…que se vê gente de tudo quanto é estilo e que se vive o real clima de lá!

Para transporte, o metrô é o mais indicado! Não é lá o mais bem conservado do mundo, mas é bem eficiente, e serve os principais pontos da cidade. Tem passes de 7 dias ou mais, ainda, que tornam mais econômico o transporte publico! Use táxis apenas se for se deslocar tarde da noite ou para distâncias mais curtas – não acho táxi em NY tão barato assim…

O ônibus turístico de dois andares (o hop-on hop-off) pode ser uma boa para quem não tem tanto tempo (e quando não se sabe bem o que fazer, ele é interessante em qualquer lugar do planeta!). O de NY acho meio caro…então talvez seja mais  inteligente só pegar o mapa do ônibus pra ver onde ele para, e fazer o mesmo trajeto de metrô (especialmente se você comprou o passe de metrô!)…Eu sempre faço isso!

Hospedagem e alimentação são dois itens completamente à parte, mas é interessante saber o seguinte: 1. hotéis em Manhattan são super caros, então se achar algo que compense, ou oferta na região, nem pense duas vezes!; 2. É uma cidade das mais democráticas para se comer – tem redes e lanchonetes baratinhas, cafeterias de bairro, a restaurantes renomados no mundo inteiro – você pode gastar muito com isso, OU NÃO!

Enfim…o basicão está aqui. CERTAMENTE você vai querer voltar pra fazer o que não fez em uma única viagem, ou pra partir pras atividades menos turísticas. E o legal é isso: sempre descobrir um lado diferente dessa cidade surreal! Sem dúvida, é um lugar pra se visitar milhares de vezes antes de morrer (E não cansar nunca de visitar, detalhe.)!

Leia mais: já sabe o que não deve deixar de conferir, mas quer ajuda com um roteiro mais específico? Clique aqui para saber o que fazer em 5 dias por lá!

Talvez também se interesse por:

Leave a comment

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

One thought on “O que fazer em Nova Iorque – dicas para iniciantes